Site de notícias vinculado ao Sindicato Rural de Guarapuava

Grupo Pitangueiras

Quinta-feira, 29 de outubro de 2020

Em meio à estiagem, plantio do cereal teve atraso na região de Guarapuava

Em meio a pior estiagem do Paraná dos últimos 100 anos, os produtores rurais da região de Guarapuava plantaram um dos principais cereais de verão: o milho. Nos 10 municípios atendidos pelo Núcleo Regional da Secretaria do Estado da Agricultura e do Abastecimento (Seab), a área prevista de milho é de 54.850 hectares. Até o dia 23 de setembro 35% da área havia sido plantada.

Dari Araújo III, produtor rural em Foz do Jordão, realizou o plantio do milho entre os dias 20 e 24 de setembro. “Eu gostaria de ter plantado antes esse milho, já na primeira semana de setembro. Aqui em Foz do Jordão tem um microclima um pouco diferente de Candói e Guarapuava, porque é bem baixo e a ocorrência de geadas é bem menor. Eu consigo antecipar minha safra. Mas pela falta de chuva, atrasamos pelo menos de 15 a 20 dias o plantio, que vai comprometer a safrinha lá na frente”, comentou. 

Na safra passada, Araújo realizou apenas a safrinha com plantio de milho, tanto para silagem, como milho grão. “Esse ano, resolvi fazer milho porque tinha expectativa boa de preço, ninguém sabia desse boom que ia dar no preço da soja”. Metade da área na Fazenda Vale do Iguaçu foi reservada para o milho.

Araújo espera uma produtividade de 200 a 250 sacos/hectare. “Investi em calcário, cama de aviário, colocando bastante adubo (400 kg/ha), vou jogar ureia (300 kg). Então, estou usando a tecnologia e variedades de alto potencial genético. Faço cobertura de aveia e caprichamos na palhada este ano. Tudo o que depende de mim, para ter um bom resultado, eu estou fazendo. Agora depende do clima também”, observou.

Quanto à rentabilidade, o produtor diz que o custo do milho quando planejou a safra estava a R$ 40,00/sc (entre julho e agosto). Atualmente a média de preço é de R$ 52,00/sc. “O custo eu já paguei. Resta saber se esse preço vai normalizar ou se manter”, concluiu.

Outro produtor rural em Candói que optou por plantar milho nesta safra foi Aldir Goldoni. Ele dedicou 200 hectares para lavoura do cereal na Fazenda Tapera. Seu plantio terminou no dia 26 de setembro, realizado em meio ao solo seco também. “Eu opto plantar milho quase todos os anos porque me preocupo com a rotação de culturas”.

Goldoni conta que sua produtividade no ano passado foi de 500 sacos/alqueire. “Foi uma média muito boa na região. Esse ano gostaria de ter a mesma média ou mais, mas não depende só da gente. Tudo isso vai depender do clima também, que é uma incógnita. Está se falando muito do La Niña, que está chegando. Mas estamos fazendo a nossa parte. Estou plantando milho para colher bem”.

Os produtores que plantaram milho nos mesmos dias que Araújo e Goldoni, tiveram um leve alívio com a estiagem, já que no dia 28 de setembro o centro-sul do Paraná, assim como vários locais do Estado, registrou fortes chuvas. No escritório regional da Seab em Guarapuava, o técnico do Deral, Dirlei Manfio, informou que o volume alcançou 44mm. Segundo ele, as precipitações beneficiaram principalmente o milho para implantação da lavoura ou para os campos já plantados. “O plantio está atrasado. Em 2019, nesta época, 85% da área já estavam plantados. Em 2020, 40%”, detalhou.

Manfio informou que a produtividade esperada na região para a cultura é de 10.200 a 11.400 kg/ha. “No milho, 15% da produção já está vendida antecipadamente”, contabilizou.

Milho no Paraná

Segundo o Departamento de Economia Rural (Deral) no Paraná, a primeira safra 2020/2021 de milho tem expectativa de área no estado de 360 mil hectares. Para esta safra a produção esperada, em condições normais, é de 3,5 milhões de toneladas, muito próximo da anterior.

Área destinada ao cereal deve crescer no Brasil

O milho é o segundo grão mais produzido no Brasil. Nesta safra a área deve crescer 500 mil hectares. O potencial de produção na primeira safra é de 30 milhões de toneladas. Já na segunda safra, a área deve aumentar 6,7%, ou 900 mil hectares, para 14,4 milhões de hectares, segundo as projeções da consultoria Céleres. A área da terceira safra deve cair de 520 mil hectares para 515 mil hectares

Com isso, o Brasil tem potencial de atingir produção total de milho de 111,5 milhões de toneladas em 2020/21. 

Milho no mundo

Conforme o Conselho Internacional de Grãos (CIG), a safra mundial de milho em 2020/2021 deverá totalizar 1,160 bilhão de toneladas.

 

Comentários

Todos os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Você pode denunciar algo que viole os termos de uso.


Grupo Pitangueiras