Site de notícias vinculado ao Sindicato Rural de Guarapuava

Biotrigo

Segunda-feira, 06 de julho de 2020

Vazio sanitário da soja vai até 10 de setembro no Paraná

Segundo o Consórcio Antiferrugem essa medida é uma das principais estratégias para o manejo do fungo Phakopsora pachyrhizi, causador da ferrugem asiática da soja

 
O vazio sanitário da soja  começou no dia 10 de junho, no Paraná e segue até o dia 10 de setembro.  No Brasil, 13 estados e o Distrito Federal adotam o vazio sanitário, estabelecido por meio de normativas estaduais. 

Segundo o Consórcio Antiferrugem essa medida é uma das principais estratégias para o manejo do fungo Phakopsora pachyrhizi, causador da ferrugem asiática da soja, a mais severa doença que atinge a cultura da soja. O vazio sanitário é o período de, no mínimo, 60 dias em que não se pode semear ou manter plantas vivas de soja no campo. A medida objetiva reduzir a sobrevivência do fungo causador da ferrugem-asiática durante a entressafra e assim, atrasar a ocorrência da doença na safra. 

A Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar) está alinhada com o Programa Nacional de Controle de Ferrugem Asiática da Soja do Ministério da Agricultura. “Assim, seguimos o fortalecimento do sistema de produção agrícola da soja com a defesa sanitária vegetal”, diz o diretor-presidente da Adapar Otamir Cesar Martins.

De acordo com a pesquisadora Claudine Seixas, da Embrapa Soja, o fungo que causa a doença precisa da planta viva de soja para se desenvolver e se multiplicar. “Por isso, é importante que o produtor elimine as plantas de soja guaxa ou voluntária (plantas de soja que nascem espontaneamente) na entressafra para interromper o ciclo de multiplicação do fungo e reduzir a quantidade de esporos presentes no ambiente, retardando o surgimento da doença na safra”, diz Claudine.

O Consórcio Antiferrugem, por meio de um mapa interativo em sua página na internet (www.consorcioantiferrugem.net), registra também na entressafra a identificação de ocorrências de soja guaxa com a doença. Esses focos serão marcados em amarelo, enquanto os registros de ferrugem-asiática, que ocorrerem durante a safra comercial, serão destacados em vermelho. 

Ferrugem da soja - O controle da ferrugem-asiática da soja possui um custo médio de US$ 2,8 bilhões por safra. Além da eliminação de plantas de soja voluntárias durante o vazio sanitário, as estratégias de manejo da ferrugem-asiática incluem: a utilização de cultivares de ciclo precoce e semeaduras no início da época recomendada; a utilização de cultivares com genes de resistência; o monitoramento da lavoura desde o início do desenvolvimento da cultura e a utilização de fungicidas.

Comentários

Todos os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Você pode denunciar algo que viole os termos de uso.


Biotrigo