Site de notícias vinculado ao Sindicato Rural de Guarapuava

Biotrigo

Quarta-feira, 01 de abril de 2020

Como se proteger do coronavírus dentro da porteira?

Uso de água sanitária, assistência técnica remota e isolamento compõem alguns hábitos benéficos que ajudam a manter a doença longe do campo

Enquanto o restante do país para diante do risco de uma contaminação em massa, o campo segue trabalhando e produzindo. Junto com profissionais da saúde, segurança e outros serviços essenciais, o meio rural é muito importante em momentos de crise em função de produção de alimentos para população. Dessa maneira, o produtor rural, mais do que ninguém, não pode ficar doente. Por isso, mudar alguns hábitos dentro da porteira pode ser crucial neste momento.

De acordo com a médica veterinária Roberta Züge, diretora administrativa do Conselho Científico Agro Sustentável (CCAS), além da função essencial que desempenham, os agropecuaristas são mais frágeis num contexto de pandemia. “De modo geral, os produtores dependem do SUS [Sistema Único de Saúde] e, às vezes, estão em municípios sem estrutura hospitalar para atender casos como esse [do coronavírus]. Outro ponto é a média de idade dos produtores, mais alta na área rural”, afirma ao referir-se à população mais vitimada pela nova doença: os idosos.

Independente da atividade desempenhada, uma regra geral deve ser respeitada: evitar o contato com quem vem de fora. Alguns setores, por natureza, são mais expostos ao contato interpessoal que outras. Um produtor de leite, por exemplo, precisa entregar seu produto cotidianamente, enquanto um avicultor leva, em média, 45 dias para alojar um novo lote. O perigo sempre vem de fora e é aí que o produtor deve se proteger.

“Se tiver alguma coisa que exige a presença do produtor, como durante uma entrega de leite para o caminhão do laticínio, além de manter a distância da pessoa que vem de fora, depois que ela for embora é preciso higienizar tudo que ela trouxe e também o local onde ela esteve”, orienta a médica veterinária. Para isso, uma solução barata, segundo a especialista, seria o hipoclorito, usado para limpar locais e objetos (nunca a pele), feito com uma parte de água sanitária para nove partes de água.

Porém, o ideal é que o trânsito de pessoas de fora seja evitado o máximo. “Já existem alguns processos que não exigem ser presencial. Já tem aplicativos que permitem isso. Aquilo em que é imprescindível a presença física, por exemplo, uma entrega de sêmen bovino, o ideal é tentar concentrar tudo numa compra só. Também pode eleger um local para a entrega, em que não precisa estar presente”, sugere. “Da mesma forma com a assistência técnica, hoje muita coisa pode ser resolvida via aplicativo de celular”, observa a diretora do CCAS.

Dentro da porteira algumas práticas também devem ser incorporadas. “Se existem funcionários que moram na propriedade, orientá-los a não ficar trazendo visitas, que não saiam muito. Também cada um tem que ter seu copo, talheres e outros utensílios pessoais. E a roda de chimarrão tem que acabar de vez”, sentencia Roberta.

Na opinião da médica-veterinária, a bovinocultura de leite seria um dos setores em que os produtores estariam mais expostos ao vírus, por conta do contato mais frequente com pessoas de fora. Por conta disso, seria necessário estabelecer protocolos de higiene pelos laticínios para reforçar a defesa contra o vírus. “Imagine se um motorista está doente? Vai contaminar a rota dele inteira”, adverte.

Em outros setores pecuários como a avicultura e a suinocultura, as próprias exigências de sanidade animal, de restrição de acesso de pessoas aos galpões, e outras práticas, já reforçam a defesa contra o novo coronavírus. Ainda, os mesmos cuidados para com esta nova doença são benéficos para evitar outras enfermidades.

“Estamos acostumados a ter pavor em relação à febre aftosa, peste suína, pois sabemos a facilidade que estas doenças têm de se espalhar e causar prejuízos. Ora, se temos uma preocupação desta com a pecuária, temos que ter com as pessoas também”, arremata a diretora do CCAS.

Texto: FAEP

Comentários

Todos os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Você pode denunciar algo que viole os termos de uso.


Biotrigo