Site de notícias vinculado ao Sindicato Rural de Guarapuava

Pioneer

Terça-feira, 13 de outubro de 2020

Wintershow iniciou nesta terça-feira (13) com novo formato

O 17º Wintershow iniciou nesta terça-feira (13), nos campos da Fundação Agrária de Pesquisa Agropecuária (FAPA) em Entre Rios – Guarapuava. O evento é realizado anualmente pela Cooperativa Agrária e busca disseminar as tecnologias e pesquisas voltadas aos cereais de inverno.

Neste ano, devido à pandemia do Covid-19, o evento sofreu adaptações, contando com programação online (palestras) e presencial (visitas a estandes de empresas e instituições parceiras).

O presidente da Agrária, Jorge Karl, durante a abertura online do evento, destacou que a situação é inédita para todos, mas o mais importante é que as informações e tecnologias continuam sendo difundidas aos produtores. “A Fapa é muito importante para nós. Aqui no evento queremos mostrar o que está sendo feito na Fundação. Queremos mostrar a importância dos cereais de inverno para nossos cooperados e para região e que estes cereais de inverno fazem parte do sistema produtivo da nossa região. O nível tecnológico tem aumentado a cada ano e isto é muito importante, pois as culturas são feitas de avanços e tecnologia”.

Na quarta-feira (13), a programação iniciou às 9h, com as visitações nos estandes parceiros, que somaram 36 nesta edição. Já às 14h, a programação técnica iniciou com as estações da FAPA.

 

Estação Fertilidade do Solo e Herbologia

Dois temas foram discutidos na estação: enxofre e manejo de plantas daninhas. Os assuntos foram apresentados pelos pesquisadores da fundação de pesquisa, Sandra Maria Vieira Fontoura e Vitor Spader.

Sandra apresentou dois estudos sobre as respostas das culturas à aplicação do enxofre (S). A principal função do enxofre nas plantas é estrutural, na composição de alguns aminoácidos (cisteina, cistina, metionina, taurina). “A resposta das culturas à aplicação de S é muito variável, ocorrendo desde substanciais incrementos a pequenas reduções nos rendimentos dos grãos”, comentou.

No primeiro estudo foram realizadas aplicações de enxofre nos municípios de Goioxim, Candói e Reserva do Iguaçu em 27 cultivos, nas culturas de soja, milho, feijão, cevada e trigo. Como conclusão, a pesquisadora citou alguns resultados, como: a não aplicação de enxofre por vários cultivos (7 anos), tornou o solo deficiente em enxofre, mas em apenas 4 dos 27 cultivos avaliados houve aumento na produtividade de grãos pela adubação de enxofre; e solos com teores de S-SO4²- acima do nível crítico não é recomendável à aplicação de adubação com enxofre, mesmo em ambientes de alto rendimento.

No segundo estudo houve a avaliação da adubação sulfatada de enxofre em várias regiões do Brasil em Sistemas de Plantio Direto. Algumas conclusões conforme Sandra destacou, foram: a dose média de enxofre foi de 26 kg, quando houve resultados positivos; a aplicação de enxofre aumentou em média, 16% a produtividade de grãos de 1/3 dos cultivos.

O pesquisador Vitor Spader comentou sobre o manejo de plantas daninhas. Segundo ele, é importante o produtor estar atento às plantas daninhas já que elas competem com as culturas, “roubando” o potencial dos insumos aplicados nas culturas. “O produtor deve pensar também no manejo das plantas daninhas no sistema como um todo durante o ano todo. "No pousio temos que prestar atenção, pois é quando as plantas daninhas vão se reproduzir. E tem sementes destas plantas que levam tempo para germinar e podem impactar as safras posteriores”, destacou.

Spader elencou duas estratégias principais para tentar diminuir a resistência das plantas daninhas na lavoura: dessecação outonal com uma aplicação de herbicida antes delas emergirem e não deixar o solo descoberto, podendo utilizar coberturas de solo, pastagem ou grãos, como feijão, por exemplo. “Nos primeiros anos, o custo pode ser maior, mas ao longo dos anos este custo diminui”, finalizou.

 

Estação Trigo

Na estação de trigo, o pesquisador Juliano Almeida apresentou as estruturas dos componentes de rendimento em cultivares de trigo. “A importância desse estudo é compreender os componentes de rendimento e como se dá a formação do rendimento de grãos da produtividade de cada cultivar. Nós pegamos uma classificação de proposta que ocorre na Europa em que eles classificam os materiais por densidade de cultivo, densidade de grãos e peso por espiga. E dentro de cada um desses três tipos, eles colocam o que são forças e o que são fraquezas”. Quando é classificado como força, o produtor e profissionais técnicos podem atuar e na fraqueza não podem.

Um exemplo de força é o número de espigas por metro quadrado. “Geralmente, dentro de uma planta há a planta principal e alguns afilhos que são inférteis ou que têm espigas muito pequenas. Então, poderíamos estar atuando para que essas espigas ou morram ou deixam de existir para energia que tem dentro desse afilho migre para espiga principal”, explica.

Já um exemplo de fraqueza é o peso das sementes das espigas na população de plantas. “Nenhum produto daria muito resultado para modificar isso para população de plantas. Então é uma fraqueza, não depende do produtor. Esse é um trabalho em andamento para entender como ocorre o rendimento e como a partir daí podemos trabalhar para aumentar a produtividade dos cereais de inverno”, ressalta.

 

Perspectivas de mercado pós-pandemia 

O jornalista Carlos Alberto Sardenberg finalizou o primeiro dia de programação do WinterShow falando sobre o que esperar da economia brasileira depois da pandemia. Segundo ele a recuperação econômica já começou a partir do mês de maio, o que traz boas perspectivas. "A previsão de inflação para este ano é de 2,5%. Isso, medido pelo IPCA e sendo que, para o ano que vem, a previsão é de 3%. A meta deste ano é 4% e a do ano que vem é 3,75%. O dólar, a perspectiva para este ano de 2020, é em torno de R$ 5,30 e a previsão para o ano que vem é de R$ 5,10. Para que haja uma recuperação mais consistente, precisamos de algumas coisas: uma reforma tributária, para simplificar o sistema; uma reforma administrativa, que reduza o gasto com pessoal; um enorme programa de concessões e privatizações – de tudo: leilões de estradas, de rodovias", resumiu. 

 

 Programação

A programação continua nesta quarta e quinta-feira (14 e 15 de outubro), das 9h às 17h, nos campos da FAPA. A entrada é gratuita e voltada para todos os interessados.

O Sistema FAEP e Sindicato Rural de Guarapuava (patrocinador bronze) participam do evento com estande, apresentando as ações da entidade, cursos do Senar, Revista do Produtor Rural, venda de alevinos e distribuição de mudas frutíferas nativas.

 

 

 

Comentários

Todos os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Você pode denunciar algo que viole os termos de uso.


Pioneer