Site de notícias vinculado ao Sindicato Rural de Guarapuava

Biotrigo

Terça-feira, 15 de dezembro de 2020

CowSignals e o conforto das vacas

 
 
 
Neto Carvalho
Consultor Técnico Bovinos Leiteiros
CowSignals Licensed Master
Nutron/Cargill
 
      Na última edição, abordamos sobre como a metodologia CowSignals® nos ajuda a identificar e interpretar sinais dos animais, e como estes podem mostrar e influenciar negativamente na eficiência alimentar dos animais. Agora, daremos foco à identificação e interpretações dos sinais das vacas, diante das instalações que elas estão sendo submetidas para seu alojamento, e como podem estar comprometendo o conforto, bem-estar e, obviamente, impactando negativamente na produção de leite e na longevidade do rebanho. 
 
     Portanto, o objetivo deste artigo sobre o CowSignals® é colocar o conforto e o ambiente no mesmo patamar de importância da nutrição.
    A vaca quer simplesmente o básico, ou seja, tudo aquilo que a natureza oferece como comida, água, luz, ar, espaço e descanso para não se estressar, e ter saúde para expressar todo seu potencial genético. Em outras palavras, a vaca, como diz a canção: “quer sombra, comida, água fresca e uma rede preguiçosa pra deitar....”  
 
    A grande vantagem quando estamos atendendo a necessidade da vaca em termos de conforto e bem estar, levando em consideração que outros elos da cadeia (nutrição e manejo sanitário) estejam de acordo, é maior vida produtiva (longevidade!!). E, pra isso, precisamos entender que promover conforto e bem-estar pra vaca é um investimento e não um custo. 
 
   A primeira premissa para exercer o CowSignals® é olhar através dos olhos da vaca, e colocar-se no lugar delas! 
 
   E você deve se perguntar sempre: 
 
O que eu vejo?
Como isso aconteceu?
O que isso significa?
O que fazer?
 
Isso deverá ser feito em todas categorias, desde o bezerreiro, novilhas, vacas secas e vacas lactantes. É importante fazermos uma conexão entre causa e efeito.
 
 Abaixo, são dois exemplos do que podemos observar e relacionar com algo que esteja causando determinada injúria (figura 1) ou determinado tipo de comportamento (figura 2).
 
  
Fig.1 = Lesão de jarrete! Pode ser causado por cama mal manejada, tipo de material na cama (é sabido que colchão há maior prevalência).
 
  
Fig. 2 = Vacas com as pernas para fora da cama e deitadas em diagonal, sinalizando que há algo de errado no dimensionamento da cama.
 
O conforto da vaca depende da gestão do ambiente em que ela vive.
 
A gestão do conforto para uma maior produtividade e longevidade, depende da interação entre o ambiente físico (cama, área alimentação, etc.), com o ambiente social (agrupamento, lotação, competição, espaço de cocho, etc.), que em conjunto irá definir o sucesso ou insucesso da atividade leiteira. 
 
A boa gestão desses ambientes irá influenciar no comportamento e na gestão do tempo por parte da vaca, por exemplo, se houver privação para a vaca descansar o efeito será negativo sobre a produtividade e saúde dos cascos.   Em última análise, um ambiente ótimo combinado com uma nutrição adequada irá assegurar que as necessidades de conforto e bem-estar, sejam satisfeitos com mais ingestão de alimentos, resultando numa maior produtividade e saúde.
 
E, se observamos a interação entre ambiente físico e ambiente social, o espaço de cocho talvez seja a variável nº 1 que poderá comprometer o comportamento e a modulação do consumo. A oferta limitada de comida no cocho, quando disponível por menos de 20 horas compromete a produção de leite.
 
Dentre os fatores que impactam negativamente na produção de leite, vale destacar aqui o stress calórico, que nada mais é quando o animal não consegue dissipar a carga de calor externo somada ao calor metabólico por ingestão de alimentos ou atividade física (no caso de gado a pasto). 
 
Existe uma faixa ótima de temperatura para a vaca se manter em seu melhor estado, que é quando ela consegue manter a temperatura corporal constante e com níveis adequados de produção.  
 
Para Bos Taurus = 5 a 20°C e para Bos indicus = 10 a 27°C.
 
Acima desta temperatura, e dependendo da umidade relativa do ar, as vacas começam a sofre alterações fisiológicas e comportamentais. A zona de termoneutralidade varia de acordo com a categoria, nível de produção de leite, etc. 
 
O primeiro sinal (CowSignals®) de comportamento em uma vaca em estresse calórico é o aumento da frequência respiratória (Fig. 3). 
 
 
 Fig. 3
 
   Nesse sentido é fundamental lançarmos mãos de algumas estratégias e ferramentas para combater os stress que os animais estão sendo submetidos como por exemplo: 
 
Disponibilidade de água no bebedouro com rotina de limpeza diária;
Fornecimento de sombra;
Reduzir distância da ordenha;
Reduzir o tempo de permanência na sala de espera;
Propor ventilação e resfriamento na sala de espera e galpão de alimentação.
 
Em uma situação normal, sem stress, a rotina da vaca por um período de 24 horas  em sistema confinado  seria passar em torno de 50% do tempo deitada descansando (12 a 24 horas/dia), 20% do tempo comendo (5 horas/dia); 10% em ordenha (2,5 a 3,5 horas/dia); 2% de ocupação dos bebedouro (30 minutos); outros – ócio 13% (2 a 3 horas).
 
 Desta forma, qualquer fator que venha impactar nessa rotina, irá afetar o comportamento dos animais e refletir na performance produtiva e também de saúde. 
 
Se a vaca passa maior parte do tempo deitada obrigatoriamente devemos promover conforto em relação a cama pra essas vacas deitarem, além de evitar que as vacas fiquem muito tempo fora do lote (manejo reprodutivo, sala de espera, etc.), reduzindo o tempo de acesso à cama. A Função fisiológica, saúde e produtividade são prejudicados quando o requisito de repouso não é cumprido. Há uma relação direta entre o tempo de descanso e a produção de leite, onde observou-se que há um acréscimo na produção de leite na ordem de 1,5kg para cada 1 hora a mais de descanso (Grant,2007).
 
A primeira coisa que devemos estabelecer é um dimensionamento correto das camas para que as vacas possam deitar de forma natural.   A cama ideal é aquela onde permite a vaca subir, deitar, levantar, mudar de posição, e sair sem entrar em contato com qualquer parte da contenção da cama.  Itens como divisórias, neck rail, peitoral devem servir de guias que definem a área de descanso da vaca, mas que não impeçam das vacas se moverem, sem causar lesões. 
 
A aplicação do CowSignals® nos permite avaliar, através do comportamento dos animais, se a cama está bem dimensionada e promovendo conforto para as vacas como já demonstrado na figura 2.   
 Como mais exemplos de CowSignals®, na figura abaixo (Fig.4) as vacas estão sinalizando que a posição do Neck rail não está adequada e provavelmente muito baixa ou, alguma coisa impedindo a projeção da vaca para se levantar.
 
Na fig. 5 representa uma cama ruim sem material suficiente para promover conforto para as vacas, desestimulando delas deitarem. Por consequência maior lesão dos cascos e perdas produtivas.
 
 
Fig.4
 
 
Fig 5
 
 
O score de sujidades das vacas também é um parâmetro de avaliação como CowSignals®. Veja abaixo em um sistema de composto onde a vaca está nos ”dizendo” que o material da cama não está adequada e, que providências precisam ser tomadas em relação a manutenção, caso contrário, além de prejudicar a qualidade do leite haverá maior incidência de mastite.
 
                    
 A disponibilidade de cama (densidade populacional) tem uma relação direta com a produção de leite, ou seja, menor lotação e maior oferta de cama = maior produção de leite. 
 
A produção de leite não é a única coisa que será impactado de acordo com a lotação. As taxas de concepção também cairão, a gordura do leite também pode diminuir e a contagem de células somáticas aumenta à medida que a densidade populacional aumenta. Portanto, atenção em respeitar a taxa de lotação dos lotes para que não penalizem as vacas em sua rotina de descanso e de consumo de alimentos no cocho. 
 
Para concluir, gostaria de sugerir que Reservem SEMPRE parte do seu tempo na observação do comportamento dos animais. As vacas têm MUITO a nos “falar”, se estivermos DISPOSTO A OLHAR e atendê-las!!! 
 
E desta forma, a metodologia CowSignals® nos permite identificar os pontos críticos que possam estar sendo limitantes para o sucesso da atividade leiteira. 
 
 
 
Sobre a Nutron
 
A Nutron, marca de nutrição animal da Cargill no Brasil, é especialista e líder em soluções inovadoras de produção animal, por meio de desenvolvimento de núcleos, premixes e especialidades para os segmentos de aves, suínos, peixes, pets, bovinos de leite e de corte, além de suplementos para criação de gado a pasto. Há mais de 20 anos, a marca sempre atuou próxima ao produtor para atender sua demanda com conveniência, qualidade e segurança, contribuindo com a prosperidade nos negócios de cada cliente. A companhia também promove ações socioambientais nas comunidades onde está inserida, pois considera ser seu dever atuar de maneira responsável para o desenvolvimento e crescimento sustentável de toda a cadeia produtiva do agronegócio. www.nutron.com.br. 
 
 
Sobre a Cargill
 
Os 160 mil funcionários em 70 países trabalham para atingir o propósito de nutrir o mundo de maneira segura, responsável e sustentável. Todos os dias, conectamos agricultores com mercados, clientes com ingredientes e pessoas e animais com os alimentos que precisam para prosperar. Unimos 154 anos de experiência com novas tecnologias e insights para sermos um parceiro confiável aos clientes dos setores de alimentos, agricultura, financeiro e industrial em mais de 125 países. Lado a lado, estamos construindo um futuro mais forte e sustentável para a agricultura. No Brasil desde 1965, somos uma das maiores indústrias de alimentos do País. Com sede em São Paulo (SP), estamos presentes em 17 Estados brasileiros por meio de unidades industriais e escritórios em 147 municípios e 11 mil funcionários. Para mais informações, visite www.cargill.com e a central de notícias. 
 
 
 
Fonte e fotos: Cargill 
 
 
 
 
 

Comentários

Todos os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Você pode denunciar algo que viole os termos de uso.


Biotrigo