Site de notícias vinculado ao Sindicato Rural de Guarapuava

Grupo Pitangueiras

Sexta-feira, 28 de abril de 2017

Cultivares permitem produzir mais trigo em menos tempo

Uma das principais demandas dos produtores de trigo tem sido o aumento da precocidade das cultivares. Produzir mais em menos tempo, sem perder qualidade, ajuda a garantir uma lavoura mais rentável. Os lançamentos da Biotrigo Genética, primeiros filhos de Toruk, são cultivares que, além de trazer melhorias na resistência a doenças e mais produtividade, possuem ciclos mais precoces. Os novos materiais foram apresentados durante o Seminário Técnico de Trigo realizado na Associação dos Engenheiros Agrônomos, em Campo Mourão/PR. Mais de 200 pessoas participaram do evento, no dia 12 de abril, entre produtores de sementes, cerealistas, recomendantes, representantes do setor moageiro e todos aqueles envolvidos na cadeia produtiva do trigo. Segundo o diretor de Negócios da Biotrigo Genética, André Cunha Rosa, ambos as cultivares melhoram o Toruk em diversos aspectos, aumentando a precocidade e facilitando o manejo em termos de segurança em diversas doenças. “O TBIO Toruk está sendo um grande sucesso pela produtividade e a qualidade que vem apresentando e será o mais plantado em 2017 no país. Esses dois materiais, pela qualidade que têm, também devem estar entre os cinco mais plantados no Brasil até 2019”, projeta.

A linhagem BIO 131364, que tem como nome sugerido TBIO Sonic, é um trigo melhorador. “Um dos posicionamentos que o ciclo e a produtividade dele vão permitir é fazer três ciclos em um ano nas regiões mais quentes onde o trigo perdeu espaço no inverno. Soja do cedo, um milho safrinha bem precoce, trigo e, depois tudo novamente”, explica André. As principais características da cultivar são a superprecocidade, o alto vigor, a produtividade e a resistência à diversas doenças, incluindo o auto nível de resistência à brusone. Já a linhagem BIO 131450, ou TBIO Audaz, é um trigo de ciclo precoce. Equivalente ao TBIO Sintonia, um dos materiais mais plantados no país, mas com uma qualidade ainda maior. “Possivelmente nada no mercado hoje tem a qualidade do TBIO Audaz, ele vem para colaborar tanto em força de glúten, quanto em panificação. Cabe também destacar a segurança que esse material oferece”. A cultivar apresenta boa resistência às principais doenças do trigo, como o complexo de manchas foliares, mosaico, brusone, giberela e bacteriose. Ambos oferecem uma combinação inédita no mercado brasileiro.

Segundo o Gerente Regional Norte da Biotrigo, Fernando Michel Wagner, Audaz será um grande aliado de cultivares já consolidadas como Sinuelo, do Toruk e Sossego. “É um material de ciclo mais curto que vai proporcionar para o produtor rural o escalonamento da colheita. O Sonic, por sua vez traz como grande a vantagem o fato de o produtor poder colher a sua lavoura de verão e trabalhar com uma rotação de culturas, como milheto e nabo forrageiro antes do plantio dele, neste caso, nas regiões mais frias”, explica.

O Seminário Técnico de Trigo é uma realização da Biotrigo Genética, com apoio da Sementes Butiá, Syngenta e Laborsan Agro. O evento é considerado o maior do segmento reunindo participantes dos estados de Minas Gerais, Distrito-Federal, São Paulo e Paraná, além do país vizinho Paraguai.

 

Pré-lançamentos trazem novidades para o setor de integração lavoura-pecuária

Outra novidade lançada durante o seminário é uma linhagem de trigo sem presença de aristas e destinada somente para alimentação animal, que vem para contemplar as demais regiões onde o TBIO Energia I, lançado em 2016, ainda não estava presente. De acordo com o zootecnista da Biotrigo, Ederson Luis Henz, um dos diferenciais do BIO 112049, que leva o nome sugestivo de TBIO Energia II, é o ciclo precoce. A cultivar vai acessar as regiões mais quentes do Brasil, do Norte e Oeste paranaense até o Cerrado e deve abrir um grande precedente para a produção de pré-secado e silagem, atendendo essas regiões que têm uma grande bacia leiteira.

Reguladores de crescimento na cultura do trigo

O engenheiro agrônomo e gerente técnico da Fundação ABC do Paraná, Luís Henrique Penckowski, que desenvolve trabalhos de pesquisa em tecnologia na cultura de trigo abordou, durante o seminário, o manejo de trigo com regulador de crescimento. A tecnologia, a qual ganha a cada dia mais espaço no Brasil, já bem difundida em locais como Europa e Estados Unidos, garante uma lavoura livre de acamamento mantendo rendimento e a qualidade do grão.

 Manejo de doenças

A demanda de trigo mundial para alimentação aumenta gradativamente. Em 2050, pelas estimativas da população, mantendo-se as áreas, a produção deverá girar em torno de 5 mil kg por hectare, em média. O melhoramento genético e as práticas agrícolas, como adubação e o uso de insumos, impulsionam essa produtividade. No entanto, as mudanças climáticas globais e os fenômenos como o El Niño, influenciam diretamente nas doenças. “A associação de adversidade climáticas e a ocorrência de doenças podem reduzir o rendimento e a qualidade”, alertou o fitopatologista da Biotrigo Genética, Paulo Kuhnem.

 

Comentários

Todos os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Você pode denunciar algo que viole os termos de uso.


Grupo Pitangueiras