Site de notícias vinculado ao Sindicato Rural de Guarapuava

Pioneer

Quarta-feira, 27 de junho de 2018

Depois de La Niña, é a vez da neutralidade

Em Guarapuava e no Paraná, o clima se mostrou, no início de 2018, no mínimo estranho: em janeiro, chuva acima da média. De fevereiro para março, a estiagem deu lugar a fortes precipitações localizadas. Em maio, a variação extrema foi na temperatura, com calor de verão na primeira quinzena e frio próximo a zero graus na segunda.

Mas agora estamos no inverno, iniciado às 7h07 do último dia 21 de junho. Às vésperas da semeadura de culturas como a do trigo, o que esperar? Uma mudança favorável ou a mesma situação? De acordo com o meteorologista Renato Lazinski, do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), o produtor rural não deve se surpreender, porém a resposta é – em parte – a segunda opção.

Em uma palestra realizada pelas empresas de seguro Sancor e Promissor, dia 17 de maio, no Sindicato Rural, com o tema “Perspectivas climáticas”, ele explicou que os fenômenos El Niño e La Niña correspondem respectivamente ao aquecimento e ao resfriamento das águas do Oceano Pacífico. Conforme contextualizou, embora nos outros oceanos, como no Atlântico, que banha toda a costa brasileira, a temperatura também oscile, o Pacífico, por ser a maior massa de água do planeta, tem uma influência ainda maior, com suas alterações se refletindo em todo o globo. Lazinski observou que entre 2017 e 2018, o mundo foi influenciado por um La Niña de fraca intensidade. Números do clima no Paraná registrados pelo IAPAR, analisou, exemplificam o típico efeito desta situação: no primeiro mês do ano, uma região ao sul de Palotina registrou de 50 mm a 100 mm de chuva. Na mesma época, a pouca distância, Paranavaí e Umuarama, ficaram entre 400 mm e 450 mm. Em fevereiro, enquanto uma região entre Pato Branco e União da Vitória teve de 0 a 50 mm, Foz do Iguaçu registrou de 300 a 350 mm.

Ainda conforme relatou o meteorologista, o La Niña está terminando e ainda não há tendência de formação de um El Niño, o que estabelece um período chamado de neutralidade, que em sua avaliação deve se estender até o próximo verão. Este quadro, no entanto, como destacou, não significaria um clima neutro ou normal, mas oscilações entre tempo muito chuvoso e muito seco. As temperaturas tenderiam também a variar entre extremos de calor e frio. Ao final do evento, a REVISTA DO PRODUTOR RURAL conversou mais uma vez com Lazinski, para saber o prognóstico do clima especificamente para o centro-sul do Paraná.

Renato Lazinski (INMET)

“No nosso inverno e o início da primavera, vamos estar numa situação que chamamos de neutralidade climática. Nem El Niño, nem La Niña. Vamos continuar com essas chuvas bastante irregulares: períodos curtos em que chove muito e períodos maiores em que não chove. O que importa para a agricultura da região? Seriam as geadas tardias. Não é que não vá acontecer, mas a chance de que venham a acontecer geadas tardias a partir da segunda quinzena de setembro é muito pequena. Até meados de setembro, temos chances de geada. Normalmente a colheita, principalmente das culturas de inverno, ocorrem numa época chuvosa. Neste ano, a tendência é que não chova tanto quanto nos anos anteriores. Vamos ter chuva, mas ela deve ficar abaixo da média, deve chover um pouco menos”.

Comentários

Todos os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Você pode denunciar algo que viole os termos de uso.


Pioneer